Resenha: Biggie: I Got A Story to Tell – Uma visão sobre o influente rapper menos a música

Por em Cinema , Filme

40 % Impressionante

Uma visão distorcida de um dos maiores artistas do Hip-Hop.

  • O Notorious BIG provavelmente não precisa de introdução, mas apenas no caso – Christopher Wallace, também conhecido como Biggie Smalls, era um hip -hop artist da cidade de Nova York que alcançou a fama do início a meados da década de 1990, antes de sua morte prematura em 9 de março de 1997 com a idade extremamente jovem de 24 anos. Biggie: Eu tenho uma história para contar é um documentário biográfico que se concentra principalmente em Biggie’s história da família, suas experiências crescendo em 1980 em Nova York quando o crack se tornou um grande problema (especialmente em áreas de baixa renda) e sua (razoavelmente breve) carreira musical.

    O próprio Biggie é um ponto focal brilhante – ele é um carismático homem misterioso que viveu uma vida chocantemente cheia em seus 24 anos. No entanto, não se pode deixar de sentir que o próprio documentário falha em dar a Biggie o palco que ele merece. Sendo um documentário da Netflix, ele não evita algumas armadilhas esperadas – ele depende de solavancos manipulativos no design de som (em uma extensão quase paródica) e tenta desenterrar dramas complicados que parecem totalmente desnecessários. Esses mesmos problemas mancham a maior parte do catálogo de documentários da Netflix, então não prejudicam tanto o filme porque eram de se esperar, mas essas técnicas deixam uma nota amarga de qualquer maneira. Trazendo o foco de volta para Biggie, o documentário revela muito sobre ele – particularmente sobre sua história familiar e sua infância – que não pode ser encontrado em outros documentários que falam sobre ele (como Biggie & Tupac e Netflix’s Hip-Hop Evolution ), e isso torna um documentário um tanto mal produzido muito mais assistível.

    Claro, para aqueles que se interessam por Biggie como músico ou como pessoa, o documentário é revelador e íntimo graças ao forte uso de entrevistados que o conheceram pessoalmente. A mãe de Biggie, em particular, revela muitos detalhes que falam de sua personalidade, e sua discussão sobre seu funeral é especialmente tocante. Para quem não se interessa pelos temas, é fácil imaginar que seria uma tarefa impossível de suportar, mas no mínimo é acompanhada por uma excelente trilha sonora contendo uma seleção do melhor da música hip-hop do Anos 80 e 90 por Biggie e muitos outros. É uma pena que o documentário não investigue as letras de Biggie muito além de serem reflexos de sua realidade pessoal e, por extensão, das realidades de Nova York dos anos 1980, pois parece que há muito mais para investigar. Em vez disso, o documentário se inclina mais para a vida criminosa de Biggie como traficante de drogas em sua adolescência do que para a vida positiva que ele levou como músico e muito mais depois de aclimatar a fama. É muito mais focado na forma mais direta ‘Gimme the Loot

    Mais importante do que aquele que mais conhecemos e amamos, do belíssimo ‘Juicy ‘ e’ Hypnotize ‘, que provavelmente é outro trapping do Netflix.

    Mesmo assim, Biggie: Eu tenho uma história para contar certamente não é uma perda de tempo para os fãs de Biggie e sua música, mas poderia ser muito, muito melhor. Para um tópico tão carismático e carregado, parece que a bola caiu um pouco, mas o filme ainda faz um trabalho brilhante em trazer à tona as emoções da música de BIG. Há um potencial desperdiçado, mas o produto final é melhor do que a maioria dos documentários focados em artistas de hip-hop, que permanecem mal representados, mas o meio cinematográfico como um todo. Considerando o quão brilhante e impactante foi o músico Biggie, parece uma pena que o documentário se preocupasse tanto com seu breve passado criminoso e tão pouco com a música.

    Biggie: Eu tenho uma história para contar

    (2021) foi dirigido por Emmett Malloy e está disponível para transmissão na Netflix agora. Veja o trailer abaixo:

    Sobre o autor

    Reece Beckett

    Estudante do primeiro ano de cinema, escritor (sobre cinema) e poeta. Recentemente publiquei minha primeira coleção de poesia, Retrato de uma cidade em chamas, e escrevi para o Taste of Cinema, Cinematary and Film News UK

    Fonte

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *