Porque Cabo Verde não obedeceu a decisão da CEDEAO sobre diplomata venezuelano – Oficial

O governo de Cabo Verde explicou que não está disposto a cumprir o CEDEAO decisão sobre o diplomata venezuelano detido, Alex Saab.

PREMIUM TIMES foi seguindo de perto e relatando as disputas jurídicas e diplomáticas entre os governos dos Estados Unidos da América e da Venezuela desde que Saab, líder do Presidente Nicolas Maduro da Venezuela, foi detido em Cabo Verde em junho de 2020, a pedido da Interpol por alegados crimes financeiros.

A sua detenção não só arrastou a África Ocidental para a discussão, mas também questionou mais uma vez a influência da CEDEAO e das suas outras armas nas nações membros.

Com base na deterioração da saúde e do status do Sr. Saab como diplomata, a equipe jurídica liderada por Femi Falana abordou o tribunal da CEDEAO para impedir a extradição do primeiro para os EUA, pedido que foi concedido mas ainda não r espelhado pelo Cabo Verde, um dos beneficiários da organização, até à data.

Além da decisão do tribunal da organização de que o líder do Sr. Maduro seja colocado em prisão domiciliar e autorizado a procurar atendimento médico sob a supervisão da autoridade, determinou ainda a suspensão de todo o processo de extradição até à audiência principal, marcada para 4 de fevereiro, em Abuja.

Tendo perdido no Tribunal e Recurso de Cabo Verde, o arguido recorreu da decisão para o Supremo Tribunal, enquanto a decisão da CEDEAO continua a ser tratada com indiferença.

Por que não vamos obedeça à decisão da CEDEAO – Cabo Verde

Em conformidade com os direitos humanos negados ao Sr. Saab, situados dentro das realidades jurídicas e diplomáticas existentes, o Sr. Falana e ex-Chefe espanhol Justiça, Baltasar Garson, outros advogados proeminentes em três continentes, escreveram ao Presidente de Cabo Verde na semana passada.

Na carta enviada a este jornal, os advogados alegavam a autoridade de Cabo Verde de colaborar com os EUA na violação de leis internacionais ao negar a decisão da CEDEAO sobre a matéria.

No entanto, um documento exclusivo obtido pela PREMIUM TIMES junto do Gabinete do Procurador-Geral da Comarca de Barlavento, destacou porque o governo de Cabo Verde tem estado relutante em obedecer à decisão judicial da organização.

Embora os documentos disponíveis provem o contrário, o escritório disse que o país não está de acordo com o órgão sobre o protocolo complementar no tribunal da CEDEAO que confere ao código poderes para considerar ramificações dos direitos humanos.

“Sem prejuízo de se afirmar que não temos conhecimento de qualquer notificação feita ao Governo, Supremo Tribunal de Justiça, Tribunal de Recurso e Procuradoria-Geral da República sobre tal decisão, que, como se sabe, deve ser feita através do próprio canais diplomáticos e com as formalidades legais exigidas, podemos dizer de antemão que tal decisão não vincula os tribunais nacionais.

“Com efeito, pode dizer-se que desde o Tratado de Lagos, o que se pretendia era uma organização económica da CEDEAO, nada estipula a jurisdição do Tribunal desta Organização Africana, nem se faz qualquer referência à “Justiça”.

Dangote adbanner 728x9src_2 (1)

“Não é possível que tal disposição seja aplicada em nosso país, quando nunca a aceitamos em nosso ordenamento jurídico nacional, através do mecanismos previstos para o efeito, por se tratar de uma decisão não aplicável no ordenamento jurídico de Cabo Verde, onde, como se sabe, o Tribunal da CEDEAO não faz parte da Hierarquia dos Tribunais, onde o Tribunal Constitucional e o Supremo Tribunal de Justiça estão no ápice (art. 214, parágrafos I e a), 215 e 216, CRCV) ”, argumentou um excerto do gabinete, insistindo que a decisão da CEDEAO prejudicava as suas normas jurídicas internas.

O Procurador-Geral de Cabo Verde, Luís Landim, alegou numa entrevista no final de Dezembro passado que o país não ratificou o protocolo que atribui jurisdição ao tribunal da CEDEAO em matéria de direitos humanos.

Em uma entrevista exclusiva com PREMIUM TIMES, o Sr. Falana rejeitou o argumento do Sr. Landim afirmando que “o protocolo suplementar entrou em vigor a 19 de Janeiro de 2005, quando foi assinado por 14 dos 15 estados membros da CEDEAO. O artigo 11 do protocolo estabelece que, uma vez assinado por nove Estados membros, entrará em vigor. No caso em apreço, foi assinado por 14.

“Essa reunião contou com a presença do então Primeiro-Ministro de Cabo Verde. A reunião aconteceu em Accra, Gana. Ele estava lá, mas no final da fila, ele teve que correr para casa para atender a uma emergência. Assim, não assinou o protocolo complementar, mas não houve rejeição do protocolo por parte de Cabo Verde ”, disse o advogado de direitos humanos nigeriano.

PREMIUM TIMES tem uma cópia da referida reunião e todas as decisões tomadas.

Enquanto o caso tripartido de Saab continua a persistir na CEDEAO, Cabo Verde e EUA, o argumento para a negação dos seus direitos humanos face ao seu estatuto de diplomata continuou a levantar questões.

FIND ANEXO UMA CÓPIA DO PROCURADOR DECLARAÇÕES GERAIS

Apoie o jornalismo de integridade e credibilidade do PREMIUM TIMES

Bom jornalismo custa muito dinheiro. No entanto, apenas o bom jornalismo pode garantir a possibilidade de uma boa sociedade, uma democracia responsável e um governo transparente.

Para continuar a ter acesso gratuito ao melhor jornalismo investigativo do país, pedimos que considere dar um modesto apoio a este nobre empreendimento.

Ao contribuir para o PREMIUM TIMES, você está ajudando a sustentar um jornalismo de relevância e garantindo que permaneça gratuito e disponível para todos.

Doe

ANÚNCIO DE TEXTO: Anunciar aqui . Ligue para Willie 2347088095401 …





PT Mag Campaign AD

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *