Nevada declara que a maconha não melhora o desempenho; Legaliza o uso de cannabis para atletas de MMA – Forbes

A Comissão Atlética do estado de Nevada votou na quarta-feira para suspender sua proibição de longa data aos atletas que usam maconha, abrindo as portas para boxeadores e lutadores de MMA no maior palco do esporte para o uso livre e aberto de cannabis.

A comissão regula os esportes de combate no estado e é, portanto, a autoridade reguladora que define as regras para o Ultimate Fighting Championship e lutas de boxe ocorrendo em Las Vegas, onde o UFC está sediado.

ANAHEIM, CA – 14 DE AGOSTO: O ex-desafiante ao título dos leves do UFC Nate Diaz fuma durante um aberto treino para fãs e mídia no Honda Center em 14 de agosto de 2019 em Anaheim, Califórnia. (Foto de Kevork Djansezian / Zuffa LLC / Zuffa LLC)

Zuffa LLC

Por muitos anos, a comissão adotou uma linha dura em relação à cannabis, proibindo a substância dentro e fora da competição, que em por sua vez, prejudicou as carreiras de lutadores que disseram que usavam cannabis para ajudar a aliviar as labutas do treinamento e da luta.

A política de abuso de substâncias do NSAC deu sua virada mais estranha em 2015, quando Nick Diaz e Anderson Silva, os dois combatentes do UFC 183, em janeiro daquele ano.

Ambos os lutadores falharam nos testes de drogas pós-luta – Diaz para cannabis e Silva para esteróides anabolizantes. Mas enquanto Silva foi banido por um ano, Diaz recebeu um banimento de cinco anos. Ele não lutou desde então. Ele, por outro lado, continuou abertamente a fumar cannabis.

A decisão foi muito popular tanto com os oficiais do UFC quanto com os lutadores. (Mas não tão popular quanto a erva daninha, vista como um tônico quase universal entre os atletas do esporte.)

Como Nolan King do USA Today

relatado quarta-feira à tarde , daqui para frente, um lutador de Nevada só será penalizado por uso de maconha se ficar “prejudicado” na noite da luta com base em checagem visual.

A comissão continuará a testar a maconha durante pelo menos os próximos seis meses – como parte da investigação da comissão sobre traumatismo craniano – mas não punirá os combatentes que usam maconha no treinamento .

Testes positivos de cannabis não são considerados necessariamente indicativos de intoxicação ou mesmo uso recente. Os metabólitos da cannabis são solúveis em gordura e podem permanecer no corpo por muitos dias ou semanas após o uso.

Por esta razão,
o UFC em janeiro suspendeu seu próprio banimento sobre o uso de cannabis no esporte, mas sem os oficiais atléticos de Nevada seguindo o exemplo, os lutadores ainda tiveram que passar em um teste.

A decisão do NAC não é retroativa, que significa que dois atletas pegos usando cannabis antes de quarta-feira ainda estarão suspensos.

Os lutadores do UFC Gillian Robertson e Misha Cirkunov receberam suspensões e multas por testes positivos de cannabis. Robertson foi multado em $ 3.145,36 e pode retomar a competição em 10 de agosto, e Cirkunov foi multado em $ 4.145,36 e pode retornar em 13 de setembro, relatou King.

Pelo menos parte da decisão do NAC repousa sobre o que parece ser um entendimento errôneo das políticas da Agência Mundial Antidoping (WADA).

A WADA classifica a cannabis como uma substância de abuso perigosa para os atletas e como uma droga para melhorar o desempenho. O aspirante a medalha de ouro olímpica dos EUA Sha’Carri Richardson, que testou positivo para uso de cannabis no mês passado, é o exemplo recente mais famoso de um atleta proibido de competir pelas regras da WADA.

De acordo com King, diretor executivo do NAC Bob Bennett, disse em uma teleconferência na quarta-feira que Nevada não vai mais proibir a cannabis porque ela não melhora o desempenho.

ANAHEIM, CA – 14 DE AGOSTO: O ex-desafiante ao título dos leves do UFC Nate Diaz fuma durante um aberto treino para fãs e mídia no Honda Center em 14 de agosto de 2019 em Anaheim, Califórnia. (Foto de Kevork Djansezian / Zuffa LLC / Zuffa LLC)

Zuffa LLC

“Acho que nosso objetivo é testar drogas para melhorar o desempenho para garantir condições equitativas”, disse ele, como por rei. “O fato de não ser uma droga para melhorar o desempenho, não acredito que devamos fazer mais testes.”

Deixando de lado a confusão de Bennett, pesquisadores contemporâneos em toxicologia e fisiologia da cannabis não acredito que haja evidências suficientes para classificar a cannabis como potenciadora de desempenho ou abusiva, e pedi mais pesquisas.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *