Crítica do filme 'Citizen Ashe': Arthur Ashe Doc Movingly Chronicles campeão de tênis e ativista de direitos humanos

Telluride 2021: Uma riqueza de imagens de arquivo e um poderoso fio temático da evolução política dão força a este documentário esportivo

Citizen Ashe

CNN Films

Existem os ícones do esporte que inspiram torcedores e aspirantes a jogadores. Depois, há os atletas que, além da folha de estatísticas, mudam seu esporte para melhor, usam sua posição para ajudar os outros e geralmente nos estimulam a querer ser pessoas melhores. O tênis tem alguns deles ao longo de sua história, e dois deles ganharam títulos de simples em Wimbledon em 1975: a pioneira feminina Billie Jean King e o campeão masculino Arthur Ashe.

Há muito tempo esperado como um sujeito documentário multifacetado por suas conquistas esportivas, influência e ativismo, ele finalmente é o centro de um com “Citizen Ashe”, um retrato envolvente e comovente co-dirigido por Rex Miller ( “Behind These Walls”) e Sam Pollard (“MLK / FBI”).

Os meandros da vitória inovadora de Ashe na Inglaterra sobre o rival Jimmy Connors são retratados de forma emocionante, assim como sua vitória igualmente histórica no primeiro US Open em 1968. Mas “Citizen Ashe”, dominado por ricas filmagens de arquivo e muitas vezes impulsionado pelas próprias palavras de Ashe em inúmeras entrevistas ao longo de sua vida pública, é menos um documentário sobre tênis do que sobre a evolução de um estrela do tênis, um negro americano que descobriu como se envolver com o mundo além das regras estabelecidas e das linhas brancas literais e figurativas.

Arthur Ashe

Em uma quadra de tênis – ele praticamente cresceu uma, já que a casa de sua família em Richmond, Virgínia, ficava no terreno que seu pai zelador supervisionava – o magricela, régio e inteligente baseliner falou com sua raquete, rompendo com um jogo suavemente opressor e uma presença serena. No entanto, essa atitude calma não foi por acaso: Ter alguma chance no Jim Crow South como um tenista negro nos anos 60 – como os contemporâneos de Ashe daquela época (Art Carrington, Lenny Simpson) e o irmão mais novo Lennie nos informaram na tela em entrevistas – eles não podiam dar aos torneios de corrida branca um motivo para rejeitá-los além da cor de sua pele.

Com uma bolsa de estudos da UCLA e participação na equipe da Copa Davis dos Estados Unidos, Ashe aprimorou seu jogo e cavalheirismo ainda mais, o que lhe proporcionou resultados e popularidade no mundo do tênis. (Os fantásticos clipes de arquivo de seus dias de faculdade bem definidos, quando ele se parece muito com um peixe NA água, não seriam notáveis ​​se ele não fosse a única pessoa de cor neles.) Mas em uma era cada vez mais aberta para os que pensam politicamente Atletas negros representados por John Carlos, Muhammad Ali e Kareem Abdul-Jabaar, o caminho sem confronto de Ashe para ser um modelo o fez ser rotulado de Tio Tom. Não que Ashe não sentisse o que estava acontecendo; esse legado específico de Black de internalizar o estresse e a raiva também pode, o filme ressalta, ser visto como um fator nos problemas cardíacos posteriores de Ashe.

arthur ashe

Mas 1968 mudaria tudo, tanto para a sorte de Ashe como tenista quanto para como ele transcendeu seu esporte após um ano turbulento de progresso social. A surpresa foi que, como o ativista dos direitos civis e crítico inicial de Ashe Harry Edwards coloca no filme, quando Ashe começou a falar fora do tribunal – em discursos, em entrevistas, em protestos, em um excerto tentador de uma mesa redonda televisionada com proeminentes Atletas negros apresentando Ashe, Edwards e Jackie Robinson – ele poderia soar mais militante do que qualquer um.

Central para transmitir os trabalhos humanitários de Ashe é a história de sua campanha contra o Apartheid na África do Sul, que envolveu jogar ali para mostrar à população negra do país como era um homem negro livre. Isso também aumenta o poder emocional de um recém-libertado Nelson Mandela, que perguntou quem na América ele mais gostaria de conhecer, nomeando Ashe, que se tornou seu amigo. Apenas dois anos depois, em 1992, Ashe – então casado e feliz, com uma filha jovem – enfrentaria a última de suas batalhas: a divulgação pública forçada de ter contraído AIDS em uma transfusão de sangue contaminada com HIV, e transformá-la em um lutar por mais recursos para o combate à doença e contra o estigma do diagnóstico. Ele tinha apenas 49 anos quando morreu no ano seguinte. (Sua esposa fotógrafa, Jeanne Moutoussamy-Ashe, é uma entrevistada do filme e uma de suas produtoras.)

Na melhor das hipóteses – quando o fluxo de vozes, clipes de arquivo (o co-diretor Pollard sendo um mestre no impacto textural da filmagem encontrada) e bem combinados- em recriações feitas para parecerem arquivísticas, é tematicamente mais forte – “Citizen Ashe” torna-se um documentário sobre como a experiência torna-se voz e se torna ação. Por que Ashe se destacou em uma partida (sua perseverança, sua inteligência, sua postura, sua luta, seu talento) é por isso que ele moveu montanhas fora do esporte também. O maior estádio do tênis leva o seu nome, mas seu legado está em como Colin Kaepernick, Serena e Venus Williams, LeBron James e Naomi Osaka se recusam a separar suas carreiras de sua defesa.

Há um momento revelador no documentário, quando Ashe é entrevistado sobre as travessuras do então ascendente John McEnroe, e admite estar irritado, mas também – para este homem negro de meia-idade que conquistou tanto – inveja do privilégio que representavam. “McEnroe teve a liberdade emocional de ser um menino mau.” Disse o Grande Homem.

“Citizen Ashe” faz sua estreia mundial no 2021 Telluride Film Festival.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *