Um mercado de remédios duvidosos surgiu à medida que mais pessoas comuns temem ter CTE

A doença cerebral degenerativa conhecida como encefalopatia traumática crônica ganhou infâmia devido a casos em jogadores de futebol profissional de alto perfil. Mas o CTE vai muito além da NFL.

AILSA CHANG, HOST: Agora, uma história com relevância especial, já que as temporadas da NFL e NHL estão em andamento. É sobre a doença cerebral fatal que foi diagnosticada em muitos ex-jogadores profissionais de futebol e hóquei. Mas o medo dessa condição vai muito além dos atletas profissionais. E isso criou um mercado próspero de remédios duvidosos, como relata Sacha Pfeiffer da NPR. SACHA PFEIFFER, BYLINE: Quero começar esta história explicando como a encontrei. Há alguns anos, trabalhei em um projeto sobre um famoso jogador de futebol que teve uma vida trágica e uma morte trágica. (SOUNDBITE DE MONTAGEM) REPÓRTER NÃO IDENTIFICADO Nº 1: Uma autópsia cerebral revelou que o ex-astro da NFL Aaron Hernandez sofria de uma forma grave de CTE. REPÓRTER NÃO IDENTIFICADO # 2: Os médicos chamam, cito, “o caso mais grave que já viram em alguém de sua idade.” REPÓRTER NÃO IDENTIFICADO # 3: Ele tinha apenas 27 anos quando se suicidou na prisão enquanto cumpria prisão perpétua por homicídio. PFEIFFER: Eu me concentrei no diagnóstico de Aaron Hernandez de CTE, encefalopatia traumática crônica. É neurodegenerativo, por isso afeta o cérebro e piora com o tempo, às vezes causando perda de memória e declínio mental e alterações de personalidade. Pesquisei se o CTE poderia ajudar a explicar por que Aaron Hernandez se tornou tão impulsivo e zangado e, em última instância, um assassino que mais tarde tirou a própria vida. Ele é parte de um problema significativo na NFL. (SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA) REPÓRTER NÃO IDENTIFICADO # 4: Em um novo estudo examinando 111 cérebros de jogadores falecidos da NFL, 110 tinham CTE. PFEIFFER: Também foi encontrado nos cérebros de centenas de atletas profissionais mortos que praticavam outros tipos de esportes de contato e colisão. Mas enquanto fazia minha pesquisa, fui encontrando pessoas, dezenas delas, que nunca praticaram um esporte profissional, mas temem ter CTE. Vários não queriam que seus nomes fossem divulgados, mas muitos compartilharam abertamente seus temores. LEO PEREZ: Eu 100% acho que tenho CTE em algum nível. TOMMY EDWARDS: Acho que tenho sintomas de doença mental causada por CTE. PFEIFFER: Se abrissem o seu cérebro, você acha que eles iriam encontrar a CTE ou o início da CTE? KATIE WEATHERSTON: Tenho certeza que sim. PFEIFFER: Katie Weatherston de Ottawa, Canadá, Tommy Edwards de Radford, Virgínia, e Leo Perez de Chicago. Eles fazem parte de uma população tranquila de homens e mulheres comuns, geralmente de meia-idade, com medo de ter esta doença devastadora. Todos têm histórico de ferimentos na cabeça, geralmente decorrentes de esportes universitários. Agora estão lidando com dores de cabeça, dificuldade de concentração, esquecimento, mudanças de humor. E eles se perguntam se aqueles golpes na cabeça que levaram ao longo dos anos estão os alcançando. VERNON WILLIAMS: Vemos isso com bastante frequência. Não é incomum. PFEIFFER: Dr. Vernon Williams é um neurologista de Los Angeles que rotineiramente atende atletas amadores, bem como veteranos militares, pessoas que bateram a cabeça em quedas ou acidentes, até mesmo vítimas de violência doméstica que acreditam que seus cérebros estão danificados e estão convencidos de que sabem por quê . WILLIAMS: Vou vê-los e eles preenchem um novo formulário de paciente. Nós perguntamos, bem, qual é o principal motivo pelo qual você está aqui hoje? E eu tenho pessoas escrevendo, eu tenho CTE. PFEIFFER: Aqui está o problema com essa convicção – o CTE só pode ser diagnosticado por meio de uma autópsia. Portanto, embora todas essas pessoas possam acreditar que têm CTE, elas não podem descobrir com certeza. Mesmo se pudessem, não há tratamento. Isso deixou muitas das pessoas que entrevistei desesperadas. E esse desespero criou as condições ideais para uma indústria florescente de produtos de saúde não comprovados e não regulamentados, porque quando você tem tanto medo, está disposto a tentar quase tudo. CRIANÇA NÃO IDENTIFICADA: Treinador, estou ganhando. Eu acertei cinco a zero. PFEIFFER: Lee Brush entende esse estado de espírito. LEE BRUSH: Cinco a zero? Johnny, você deixou cair um? PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 1: Continue. Ir. JOHNNY: Sim. ESCOVA: O quê? PFEIFFER: Brush treina o time de futebol americano de seu filho em Scottsdale, Arizona. Brush teve várias concussões quando jogou futebol americano na Universidade de Purdue. Ele também teve ferimentos na cabeça de esqui e skate e de um acidente de carro uma vez. Vários deles o deixaram inconsciente. Ele está agora com 47 anos. E na casa dos 30, ele começou a ter uma cascata de problemas. BRUSH: Não eram apenas dores de cabeça. Eles estavam vindo por trás, até uma sobrancelha. Em seguida, eles iriam lentamente passar pela outra sobrancelha, logo atrás do olho. PFEIFFER: No início, ele pensou que fosse o estresse do trabalho e as pressões familiares. Ele é um engenheiro formado, mulher e dois filhos. Mas ele começou a se preocupar que algo mais sério estava acontecendo. BRUSH: As coisas que começaram a me assustar foram o zumbido nos ouvidos. Eu chamo isso de grilos elétricos do sul. Tipo, se você fosse sentar no pátio à noite e ouvir todos os grilos, mas imagine aqueles elétricos. Bem, eu nunca tive isso antes. PFEIFFER: Seus olhos começaram a doer. Ele começou a esquecer as coisas, tinha problemas para se concentrar. Seu desempenho no trabalho estava caindo. Brush é atlético e fisicamente apto, então ele não entendeu o que estava errado até ver o filme “Concussão”, de 2015, estrelado por Will Smith como um pesquisador pioneiro de CTE, e tudo parecia se encaixar. ESCOVA: dificuldade de pensamento, deficiência cognitiva, comportamento impulsivo – sim. Depressão ou apatia – com certeza. Perda de memória de curto prazo – sem dúvida. Dificuldade de planejamento e execução de tarefas – 100%. Instabilidade emocional – você só precisa fazer uma pergunta à minha esposa. PFEIFFER: Brush pode brincar com algumas dessas coisas. Mas ele também teve um incidente atrás do volante em que outro motorista o cortou e ele ficou tão furioso que ficou chocado com sua própria reação. BRUSH: Eu queria machucar a pessoa a ponto de provavelmente morrer. Era apenas uma raiva incontrolável completa. PFEIFFER: O que há de errado comigo? Ele pensou. Isso o levou a fazer um exame neurológico, mas os resultados foram inconclusivos. Os médicos disseram que ele pode ter traumatismo cranioencefálico causado por ferimentos na cabeça, mas não puderam dizer se foi CTE. Eles sugeriram um estudo do sono e outros testes, mas Brush não entendeu. BRUSH: Você vai buscar ajuda. E quando você descobrir que não há remédio para realmente ajudá-lo – não podemos diagnosticar você, não há medicamento que possamos dar – você ouve que não há nada que eles possam fazer, e você enlouquece. PFEIFFER: Ele começou a ouvir falar de antigos companheiros de futebol e descobriu que muitos deles tinham os mesmos sintomas, os mesmos medos e haviam obtido as mesmas respostas insatisfatórias dos médicos. BRUSH: Cada um de nós dizendo, sim, provavelmente temos. Sim, entendemos. Se foram atingidos na cabeça, pensam que têm algum tipo de CTE. PFEIFFER: É impossível quantificar quantas pessoas podem ter CTE ou abrigar preocupações CTE porque o pool potencial é muito grande. Inclui qualquer pessoa que já praticou um esporte de contato ou sofreu vários ferimentos na cabeça. ANN MCKEE: Não sei como conseguir esse número. PFEIFFER: Dra. Ann McKee dirige o Centro CTE da Escola de Medicina da Universidade de Boston, que estuda os cérebros de pessoas cujas famílias os doaram após a morte. MCKEE: Mas o fato de encontrarmos tão facilmente, o fato de encontrarmos centenas de casos por ano – não pode ser raro. PFEIFFER: Outros médicos duvidam que o CTE seja tão difundido. Eles dizem que os mesmos sintomas podem ser devidos a uma condição curável, como deficiência de vitaminas ou desequilíbrio hormonal, ou ao envelhecimento normal. Mas McKee diz que muitos médicos desprezam os temores de CTE. MCKEE: Muitos jogadores com quem conversei que têm dores de cabeça e talvez depressão e alguma perda de memória não são avaliados seriamente se pensam que pode estar relacionado ao futebol deles. PFEIFFER: Então ela diz que eles precisam de médicos de mente aberta que considerem todas as possíveis causas de seus sintomas, incluindo traumatismos cranianos anteriores. MCKEE: E então, finalmente descobri que talvez isso represente um caso de CTE. PFEIFFER: Mas, uma vez que nenhum médico pode fornecer oficialmente esse diagnóstico até que o paciente esteja morto, qualquer pessoa com medo de CTE fica simplesmente maravilhada e preocupada. Lee Brush descobriu-se pensando que o câncer ou um tumor cerebral seriam preferíveis. Pelo menos isso seria um diagnóstico definitivo com uma cura potencial, ele pensou. BRUSH: Como você vai viver desse ponto em diante, depois que lhe disseram que você pode ter algo que é terminal? E então o medo de ter isso – quer saber? Vou me matar se ficar muito ruim. Esses foram meus pensamentos. E eles são ecoados pelos caras com quem entrei em contato. PFEIFFER: Lee Brush tem gerenciado suas preocupações CTE por mais de uma década. Ele diz que está relativamente bem agora, graças a um antidepressivo e às sessões de terapia com seu pastor. Ele tenta não se concentrar no que não consegue controlar e acredita que acalmar seus medos melhorou seus sintomas. Mas ele conhece muitas pessoas que recorreram a extremos para tentar melhorar. PFEIFFER: Então você quer liderar o caminho? EDWARDS: Sim, sim, sim. PFEIFFER: Esse tipo de desespero é o que trouxe Tommy Edwards a esta empresa de fornecimento de propano no sudoeste da Virgínia. Achamos que provavelmente passamos. É um lugar com tanques gigantescos atravessando os trilhos da ferrovia. EDWARDS: Oh, sim. Tenha cuidado ao vir por aqui. PFEIFFER: Edwards está aqui porque quer um tanque de propano muito grande para fazer uma câmara de oxigênio hiperbárica. Ele acha que isso pode aliviar o que ele acredita serem seus sintomas de CTE. E ele sabe que alguns jogadores de futebol de renome, como Joe Namath, dizem que a oxigenoterapia hiperbárica os ajuda a se recuperar de concussões. Tommy Edwards já apresentou sua ideia pelo dono da empresa de propano. EDWARDS: Eu parei para verificar aquele tanque. Eu fiz algumas varreduras cerebrais – tentando construir uma câmara hiperbárica. Você disse que tinha um velho tanque de mil galões … PESSOA NÃO IDENTIFICADA Nº 2: Sim. EDWARDS: … Você seria capaz de balançar na minha direção. PFEIFFER: Os mergulhadores usam essas câmaras para tratar as curvas. Envolve respirar oxigênio puro em um ambiente pressurizado. Caminhamos para o que parece ser um ferro-velho atrás do prédio. Perto de uma cerca traseira coberta com ferrugem e galhos está um tanque enorme e vazio que o proprietário tem em mente para Tommy. PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 2: Você cortou a ponta e colocou um rolo aí? EDWARDS: Provavelmente cortarei uma porta na lateral, depois colocaremos uma flange por dentro com umas gaxetas de borracha e … PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 2: Bronzeamento artificial também? EDWARDS: Bem, não tanto, mas talvez uma TV ou algo assim. PFEIFFER: Tommy Edwards foi diagnosticado com transtorno bipolar. Ele também luta contra a depressão e o pensamento suicida. Ele acredita que seus problemas de saúde mental se devem ao CTE. Afinal, ele foi uma estrela do futebol tão grande no colégio e na faculdade que seu apelido era Touchdown Tommy. EDWARDS: Eu era cruel, não evitava o contato. (SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA) REPÓRTER NÃO IDENTIFICADO Nº 5: Começamos com a maior história do dia – Tommy Edwards de Radford. Ele é conhecido por enviar muitas vibrações ruins para dentro do capacete do oponente com seu estilo de correr contundente. EDWARDS: Quer dizer, eu derrubei uma defensiva nas costas quando estava em Boise. Foi o sucesso do ano na ESPN. E o cara era só uma boneca de pano no ar antes de cair no chão. PFEIFFER: Agora, Edwards se pergunta sobre os danos que o futebol pode ter causado em seu cérebro. Mas o FDA não aprovou nenhum tratamento para CTE, muito menos oxigenoterapia hiperbárica. E tem riscos, desde tímpanos rompidos até colapso pulmonar. Mas Edwards diz que vale a pena tentar porque nenhum médico foi capaz de fazê-lo se sentir melhor. E as instruções do tipo “faça você mesmo” estão em todo o YouTube. (SOUNDBITE DE GRAVAÇÃO ARQUIVADA) PESSOA NÃO IDENTIFICADA # 3: Esta é a segunda etapa da construção de uma câmara hiperbárica. Este saiu com sucesso. PFEIFFER: A oxigenoterapia hiperbárica faz parte de uma crescente indústria de saúde cerebral que está se beneficiando dos temores de CTE. Os produtos variam de tratamento experimental com células-tronco a um suplemento chamado pó de memória. Geralmente são caros, não são cobertos pelo seguro e muitos médicos questionam seu valor. Mas se você acha que seu cérebro está se desintegrando e a medicina convencional pode ‘ t ajudar, é assim que você, como Tommy Edwards, pode acabar em um depósito de sucata de tanque de propano. Em sua busca para melhorar, você já se preocupou em gastar tempo e dinheiro em coisas que podem ter sido uma perda de tempo e dinheiro? EDWARDS: Oh, claro que sim. Com certeza. Quer dizer, se alguém dissesse que esse feiticeiro vai curar você, quero dizer, haveria gente fazendo fila para o feiticeiro, quero dizer, só porque a esperança – apenas a esperança. PFEIFFER: E essa esperança de cura, aliada ao medo de desenvolver CTE, é exatamente o que os vendedores desses produtos procuram. Sacha Pfeiffer, NPR News. Copyright © 2021 NPR. Todos os direitos reservados. Visite nosso website termos de uso e páginas de permissões em www.npr .org para mais informações. As transcrições de NPR são criadas em um prazo urgente por Verb8tm, Inc. , um contratante de NPR, e produzidas usando um processo de transcrição proprietário desenvolvido com NPR. Este texto pode não estar em sua forma final e pode ser atualizado ou revisado no futuro. A precisão e a disponibilidade podem variar. O registro oficial da programação do NPR é o registro de áudio.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *