News24.com |  Etiópia: como o conflito de Tigray escalou

News24.com | Etiópia: como o conflito de Tigray escalou

Enquanto o partido governante da região norte de Tigray, da Etiópia, lança foguetes na capital da vizinha Eritreia, olhamos para a crise que alimenta temores de um conflito devastador no segundo país mais populoso da África. Aqui está um cronograma da crise:


Luta pelo poder

O confronto preocupante da Etiópia com o partido no poder de sua região norte tem raízes em protestos de rua que derrubaram o governo anterior dominado por Tigray em 2018.

Embora os Tigrayans representem apenas 6% da população da Etiópia, eles dominaram a política nacional por quase três décadas até os protestos.

Tudo isso muda quando Abiy Ahmed torna-se o primeiro-ministro em abril de 2018, o primeiro da etnia Oromo, o maior do país.

Os tigraenses perdem cargos no gabinete e alguns cargos militares importantes.

Oromos e Amharas – o segundo maior grupo étnico da Etiópia – assim como outros grupos se sentiram marginalizados sob a antiga coalizão autoritária.

Violência étnica e apelos por maior autonomia estouram em várias partes do país.

Prêmio da paz

Abiy ganha o Prêmio Nobel da Paz em outubro de 2019 por fazer as pazes com a Eritreia, pondo fim a um impasse amargo que datava de uma guerra de fronteira de 1998 a 2000.

Mas as coisas estão menos pacíficas em casa.

Semanas após sua vitória no Nobel, a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF) se recusa a aderir ao novo partido governante de Abiy, reclamando que estão sendo marginalizados e injustamente alvos de investigações de corrupção.

Os líderes da TPLF retornam à sua região, com Abiy os acusando de tentar desestabilizar o país.

Fenda eleitoral

Eleições marcadas para agosto de 2020 são adiadas devido ao coronavírus apesar dos protestos da oposição, e nenhuma nova data é definida.

Tigray desafia Abiy indo em frente com suas próprias eleições em 9 de setembro. Addis Abeba considera o governo Tigray ilegal, enquanto os líderes Tigrayan, por sua vez, não reconhecem mais a administração de Abiy.

Fundos federais para a região são cortados, o que O TPLF diz que é “equivalente a um ato de guerra”.

Início da luta

Em 4 de novembro, Abiy ordena uma resposta militar a um ataque mortal “traidor” contra acampamentos do exército federal em Tigray. A TPLF nega responsabilidade e diz que o ataque relatado é um pretexto para uma “invasão”.

Dois dias depois, com a intensificação dos combates, Abiy despede o chefe dos militares, cujos altos escalões contêm muitos Tigrayans endurecidos pela batalha.

Em 9 de novembro, a Etiópia realiza ataques aéreos em Tigray com Abiy dizendo que a operação estará terminada “em breve”.

Refugiados e ‘crimes de guerra’

Milhares de refugiados fogem para o vizinho Sudão enquanto a União Africana segue a ONU exigindo o fim dos combates.

Fluxos de refugiados depois aumentam para quase 25.000.

Ethiopia's Prime Minister Abiy Ahmed, winner of la

Migrantes etíopes que fugiram intensos combates em sua terra natal, Tigray, se reúnem no centro de recepção de fronteira de Hamdiyet, no estado oriental do Sudão de Kasala, em 14 de novembro de 2020.

Em 12 de novembro, a Amnistia Internacional afirma que muitos civis foram mortos num massacre que, segundo testemunhas, foi executado por forças leais ao governo Tigray. O TPLF nega envolvimento.

No dia seguinte, a ONU pede um inquérito sobre “crimes de guerra” na região.

Naquela noite, Tigray dispara “mísseis” em dois aeroportos que afirma estar sendo usados ​​pelo etíope militares no estado vizinho de Amhara.

Eritreia atacada

No sábado, Tigray ameaça ataques com mísseis em Asmara, capital da vizinha Eritreia. Diz que a Eritreia está a ajudar as forças federais.

Mais tarde, à noite, a área em redor do aeroporto de Asmara é atingida por vários ataques de foguetes, o que suscita temores de um conflito regional.

O presidente da Tigray, Debretsion Gebremichael, reivindica a responsabilidade no domingo, dizendo que combatentes etíopes estavam usando o aeroporto.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *