Defina amor

Defina amor

Fr. Alfonso A. Araceli, SVD
Para quem pertence à minha geração, é fácil definir o amor por causa da ferramenta que tínhamos na época – o livro da favela. Já considerados uma coisa do passado, os millennials e a geração Z podem apenas perguntar aos mais velhos da família o que é esse tipo de coisa. Nesse livro de favela, há um espaço que pergunta: “O que é amor?” E pode-se apenas escrever de acordo com sua própria definição ou algo copiado de algum lugar. Talvez neste momento, possa ser mais articulado com sua definição de amor. Pode haver sobrecarga de informações sobre isso, com os símbolos gráficos que o acompanham. Na verdade, definir o amor é complicado!

Considerado como o Mês do “amor”, fevereiro é considerado um período perfeito e romântico para todos. O amor em si não está vinculado a um determinado mês, mas este mês é especial para quem deseja expressar seu amor pelo outro, e deve começar por você mesmo. Isso pode soar egoísta, porque não é que sempre há um objeto de nosso amor fora de nós? Mesmo assim, é importante que amemos a nós mesmos antes de podermos amar outra pessoa. Você não pode expressar o amor plenamente quando não o experimentou e não o deu a si mesmo.

O melhor lugar para experimentarmos o amor é na família onde nascemos. Podemos não ter entendido totalmente esse aspecto, mas com certeza nascemos em uma família capaz de amar. O Código da Família das Filipinas descreve as relações familiares como entre marido e mulher; entre pais e filhos; entre outros ascendentes e descendentes; e entre irmãos e irmãs, sejam de sangue puro ou mestiço (Art. 150, Ordem Executiva nº 209). Mantemo-nos nesta descrição para que possamos compreender claramente que o termo “família” é realmente abrangente.

A maneira como devemos mostrar nosso amor na família também está bem descrita nas Escrituras. O Livro de Sirach proclama: “Filhos, prestem atenção ao direito do pai; faça para que você possa viver. Aquele que honra seu pai expia os pecados; ele acumula riquezas que reverencia sua mãe. Quem honra o pai se alegra com os filhos e quando ora é ouvido. Aquele que reverencia seu pai terá uma vida longa; obedece ao Senhor que consola a sua mãe ”(3: 1,3-6). Não precisamos ir a outras fontes acadêmicas para sermos lembrados sobre o chamado e a necessidade de amor na família e entre os membros da família.

No momento em que saímos dos limites do lar e da família, olhamos para além de nós e vemos o lugar a que pertencemos e esse é o nosso próprio país. Como cidadãos filipinos, somos muito compelidos a expressar amor por nossos lupang sinilangan . As Filipinas são um país tão bonito, mas da forma como o tratamos, é como se não amássemos o nosso país de forma alguma. Tomemos, por exemplo, a maneira como elegemos nossos líderes, não discernimos bem quem eleger. Acabamos de eleger pessoas que tiveram travessuras memoráveis ​​durante o período da campanha. Assim, acabamos com um tipo de serviço público que não é apenas divertido, mas também “risível”. Já se foi o tempo em que aqueles que eram eleitos para cargos públicos eram a nata da cultura no que diz respeito à governança e liderança.

A hora da eleição está se aproximando rapidamente. Lembremo-nos de que devemos ter discernimento sobre quem ocupar posições-chave no governo para que o serviço público não seja reduzido à mediocridade. A Constituição das Filipinas nos lembra dos deveres e obrigações dos cidadãos, portanto, de serem leais à república; para defender o estado; contribuir para o desenvolvimento e bem-estar do Estado; defender a Constituição e obedecer às leis; cooperar e obedecer às autoridades devidamente constituídas; exercer os direitos com responsabilidade e em relação aos direitos dos outros; para se envolver em trabalho lucrativo; e para registrar e votar (Ramirez, 1993). Com tudo isso enumerado no checklist como cidadão, não estaremos no caminho errado trilhando nesta parte do mundo, mas ao mesmo tempo mostraremos nosso verdadeiro amor pelo nosso país.

Isso é no que diz respeito ao paroquial. E se considerarmos também a totalidade de nossa existência. Como podemos mostrar nosso amor pela Terra, que o Papa Francisco em sua encíclica Laudato Si ‘chama de “Nossa Casa Comum”. Como cuidamos da Terra? Muitas pessoas têm tentado exercitar o amor pela criação, mas o mais importante é que isso comece por você mesmo. Todos nós sabemos que a terra é um lugar lindo para se viver. São Francisco de Assis o descreve como “uma irmã com quem compartilhamos nossa vida e uma linda mãe que abre os braços para nos abraçar”. Mas com o passar do tempo, esta terra se tornou o centro de abusos da humanidade. Como escreve o Papa emérito Bento XVI, “a deterioração da natureza está intimamente ligada à cultura que molda a existência humana e que o ambiente natural foi gravemente danificado por nosso comportamento irresponsável”. Ao longo deste pensamento e séculos antes, São Francisco de Assis disse: “Esta irmã agora clama por nós por causa do mal que infligimos a ela por nosso uso irresponsável e abuso do bem que Deus a concedeu.”

Com essas realidades em mãos, e se quisermos mostrar que nós ainda amamos nossa casa comum, agora é hora de inculcar em nossa mente a ideia do Papa Francisco de “cidadania ecológica”. Essas coisas não são estranhas e novas para nós, como evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, separar o lixo, cozinhar apenas o que razoavelmente se consome, ter cuidado com os outros seres vivos, usar transporte público ou carona, plantar árvores , desligando luzes desnecessárias, ou qualquer outra prática (Laudato Si ‘, 211). Assim, a educação ecológica ocorre em vários ambientes: na escola, nas famílias, na mídia, na catequese e em outros lugares (Laudato Si ‘, 213).

Agora, temos mais profundidade e dimensão para a nossa definição de amor que pode ser mais difícil de conter naquele pequeno espaço da favela livro!

INSCREVA-SE NO NEWSLETTER DIÁRIO

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER

VOCÊ PODE GOSTAR

2021-02-23 00:55:00

[2628756,2628749,2628745,2628740,2628736,2628726,2628112]

    Fonte

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *